Sejam Bem vindos ao blog do Pr. Josaphat Batista!

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Lição 05 - Comentarios - pr. Josaphat Batista

A Soberania de Deus e o Livre - Arbitrio Humano


Introdução


Depois de estudarmos a maravilhosa obra da redenção outorgada por DEUS ao homem por intermédio de seu filho Jesus Cristo na cruz do calvário, fica difícil alguém tentar nos convencer de que esta obra tenha sido sem nenhum valor, até porque a nossa escolha por Cristo, é o testemunho da nossa própria consciência que nos diz que temos de optar por um Salvador, Redentor que liberte a nossa alma de uma vez cativa do pecado. Aceitar a doutrina da predestinação, é sem dúvida anular toda obra de Cristo e duvidar da soberania de Deus, até porque o próprio Jesus disse que ninguém foi predestinado ao lago de fogo e que o mesmo foi preparado para o Diabo e seus anjos (Mt 25:41). Não temos como discorrer e explorar exaustivamente um assunto tão imensurável a nós mortais: a realidade de um Deus Soberano que com tão grande amor quer que ninguém se perca, mas que todos venham a arrepender-se (II Pe 3:9).Tenho a plena certeza de que todos nós já estamos conscientizados da grandeza e infinitude de Deus na sua Soberania. Sendo Ele, porém, o que é, não nos despreza: revelou-nos o seu grande amor como já vimos na lição anterior. E, assim, passamos a conhecê-lo redentivamente. Contudo, sabemos que não é possível conhecer completamente a Deus na sua imensa soberania; entretanto, é possível conhecê-lo verdadeiramente (Jó 42:5).Posso afirmar que quando Deus se mostra soberano não quer dizer que ele precise ou se vale de induzir o homem ao erro para ser glorificado, embora Deus é glorificado nas ações do homem, seja boa ou ruim, mas isso nunca tira do homem as suas responsabilidades de escolha e de arcarem com as conseqüências da mesma. Deus quer que ninguém se perca, pois o seu amor abrange a todos e não faz acepção, mas cabe ao homem rejeitá-lo ou não, para mim, isso se constitui em um grande mistério que a mente finita jamais poderá compreendê-la no profundo, embora João Calvino tentasse direcioná-la a um conceito, mas ficou mais complexa e assim são polêmicos e complexos todos que aderem a mesma doutrina Calvinista, acabam negando o amor, redenção, livre-arbítrio e outras coisas a mais de Deus ao homem, simplesmente por tentarem compreender o infinito trabalhar de Deus para o bem estar de todos os homens. Nesta vida não tivemos escolha para nascer em determinada família, nem escolha da cor, sexo e etc. Pórem, Deus nos o livre-arbítrio para nos casarmos com quem quisermos e formarmos uma família e morarmos onde quisermos, comer, vestir, e aceitarmos a Jesus se quisermos (Ap 3:20).Segundo Steven R. Houck, “A soberania de Deus é ensinada tão claramente na Sagrada Escritura que é impossível alguém negar essa doutrina sem negar as próprias Escrituras”. Segundo essa colocação, eu acrescentaria que para entendermos melhor sobre a soberania de Deus sem atropelar o livre-arbítrio do homem, devemos analisar com muito esmero sobre a VONTADE DIRETIVA E PERMISSIVA DE DEUS.


I – DEFININDO O TERMO “SOBERANIA”.


Soberano - [Do lat. vulg. “superanu”, ‘que está de cima’.] - Seg. Aurélio - Que detém poder ou autoridade suprema, sem restrição nem neutralização; Dominador, poderoso; Supremo, absoluto. Adjetivos que retratam bem a Deus como o Soberano criador do céu e da Terra.Define-se a Soberania de Deus como o exercício de Sua supremacia. Deus é o Ser supremo e independente. Somente Ele, em todo o universo, tem o direito e o poder de fazer absolutamente o que Lhe agrada. Não há perigo de Deus perder Seu trono, nem precisa da permissão de ninguém para reinar. Ele é o único que tem o direito de agir para Sua própria glória. A soberania de Deus significa que Ele faz o que Lhe arada. Deus tem controle sobre tudo de acordo com Sua vontade e para o louvor de Sua glória.
De acordo com o argumento de Gordon Lyons, falando sobre a extensão da soberania de Deus, ele diz que o governo ou domínio de Deus é universal, absoluto e imutável (ou inalterável). Sumarizamos esses aspectos da seguinte forma:

1. Soberania Universal

A soberania de Deus é universal. Ela se estende sobre toda a sua criação; animada e inanimada — e da mais alta forma de criatura vivente até a mais baixa. No reino das criaturas vivas, Deus exerce poder sobre anjos, humanidade e animais inferiores. Nenhum pardal cair sem a vontade de nosso Pai que está no céu. Para este fim, o Senhor Jesus disse:Mateus 10:29-31Não se vendem dois pardais por um asse? E nenhum deles cairá em terra sem o consentimento de vosso Pai. E, quanto a vós outros, até os cabelos todos da cabeça estão contados. Não temais, pois! Bem mais valeis vós do que muitos pardais. (Veja vv.16-33; cf. v.30 com Lucas 21:18) Novamente, está escrito:Salmo 103:19O SENHOR tem estabelecido o seu trono nos céus, e o seu reino domina sobre tudo.Daniel 4:17 Esta sentença é por decreto dos vigiadores, e esta ordem, por mandado dos santos; a fim de que conheçam os viventes que o Altíssimo tem domínio sobre os reinos dos homens; e os dá a quem quer e até ao mais baixo dos homens constitui sobre eles.


2. Soberania Absoluta


A soberania de Deus é absoluta. Sua autoridade é perfeita em sua administração; ela é exercida a partir da sabedoria infinita de Deus, e é suprema na extensão de seu poder, glória e domínio. Nenhum limite pode, e nem será, posto no lugar da autoridade, poder ou controle soberano de Deus. No avanço de Seus propósitos e planos eternos, o SENHOR age como Lhe agrada com os habitantes dos céus e entre os moradores da terra. Nada em toda a criação é capaz de resistir à vontade de Deus, ou frustrar os Seus propósitos — seja por meio de homens, super-homens, anjos, espíritos caídos ou maus, ou qualquer outra coisa. Para este fim, a Escritura diz:Isaías 14:24Jurou o SENHOR dos Exércitos, dizendo: Como pensei, assim sucederá, e, como determinei, assim se efetuará.Daniel 4:34-35Mas, ao fim daqueles dias, eu, Nabucodonosor, levantei os meus olhos ao céu, e tornou-me a vir o meu entendimento, e eu bendisse o Altíssimo, e louvei, e glorifiquei ao que vive para sempre, cujo domínio é um domínio sempiterno, e cujo reino é de geração em geração. E todos os moradores da terra são reputados em nada; e, segundo a sua vontade, ele opera com o exército do céu e os moradores da terra; não há quem possa estorvar a sua mão e lhe diga: Que fazes?. (Veja vv.19-37)3. Soberania Imutável
A soberania de Deus é imutável, Ela permanece inalteravelmente a mesma durante todo o tempo, e sob todas as circunstâncias. O governo e domínio soberano de Deus não podem ser ignorados; ele não pode ser rejeitado, e não pode ser frustrado ou impedido pela humanidade ou por qualquer outra coisa na criação. O poder e domínio soberano de Deus amarram todas as criaturas tão completamente quanto as leis físicas amarram o universo material. O que Deus decretou ou pré-ordenou deve inevitavelmente acontecer. [2] Assim, a Escritura declara:Salmos 33:10-11O SENHOR frustra os desígnios das nações e anula os intentos dos povos. O conselho do SENHOR dura para sempre; os desígnios do seu coração, por todas as gerações.
Isaías 14:26-27Este é o desígnio que se formou concernente a toda a terra; e esta é a mão que está estendida sobre todas as nações. Porque o SENHOR dos Exércitos o determinou; quem, pois, o invalidará? A sua mão está estendida; quem, pois, a fará voltar atrás?Atos 4:28Para fazerem tudo o que a tua mão e o teu conselho tinham anteriormente determinado que se houvesse de fazer.


II - A SOBERANIA DE DEUS ABRANGE TUDO(Efésios 1:11, Isaías 46:9b-10)





--------------------------------------------------------------------------1. Analogia de escravo (ou empregado) – tem que sabera vontade específica do dono.
2. Analogia de corpo com membros (1 Co. 12:12-18) e osdons do Espírito (1 Co. 12:7-11,27-28) – funções específicas e diferentes.
3. Ser guiado pelo Espírito (Rm. 8:14; Gl. 5:16,18,25; Ef. 5:18).


COMO DISCERNIR A VONTADE INDIVIDUAL?


? (Circunstâncias, conselho, Bíblia, bom senso, o que você quer?) ? Ver Sl. 37:4 ? Is. 58:13-14; Jr. 17:5,9; Sl. 106:15.1. O testemunho do Espírito Santo com nosso espírito (Cl. 3:15; Fp. 4:6-7; Is. 26:3).2. É só para discípulos/escravos – não se pode brincar com Deus (Tg. 1:2-8).3. Oswald Chambers – ‘os toques do Espírito’.4. Esperar em Deus [quando Ele te colocar no escuro], não bolar a própria saída (Is. 50:10-11).5. Intimidade ? sensibilidade (Sl. 32:8).

III – A DOUTRINA DO LIVRE-ARBÍTRIO

É comum, quando ocorre uma desgraça ou um acidente, ouvirmos: “Chegou a sua hora’ “Era seu destino’ e outras opiniões semelhantes. Na mente dessas pessoas há o conceito de que os seres humanos não são responsáveis por seus atos, porque obedecem a um destino cego e implacável. Uma análise através da história da humanidade nos comprovará como o destino exerce influência destacada no pensamento das pessoas e não por que estão determinadas para tal.
OBS:Determinismo é a doutrina que afirma serem todos os acontecimentos, inclusive vontades e escolhas humanas, causados por acontecimentos anteriores, ou seja, o homem é fruto direto do meio, logo, destituído de liberdade de decidir e de influir nos fenômenos em que toma parte. O determinismo rejeita a idéia que os homens têm algum livre-arbítrio.

1- OS GREGOS.

Criam numa providência imutável em seus desígnios para com o homem. O carma da filosofia hindu é conseqüência inexorável das ações humanas. O tao dos chineses também está cheio de predestinações. Os maometanos crêem fielmente em destinos previamente fixados, ante os quais o ser humano não pode fazer absolutamente nada.

2- JUDEUS, ESSÊNIOS E FARISEUS.
Mesmo entre os judeus, os essênios criam num destino implacável. Os fariseus, embora cressem no livre- arbítrio, deram ênfase ao destino, O profeta levantou sua voz para repreender os que punham mesa para a fortuna e ofereciam libações ao destino. Isa. 65:11 O estudo das predestinações nos comprovará que esse problema não está restrito à área da filosofia pagã, pois ele apareceu também entre teólogos cristãos, como vemos em Calvino (1509- 1560).

3- DOUTRINA CALVINISTA
Calvino, ampliando idéias já antes defendidas por Santo Agostinho, afirmou que desde a antigüidade Deus estabeleceu dois decretos um selecionando um grupo à salvação e outro, selecionando aqueles que seriam destruídos. O próprio Calvino denominou-o como terrível decreto de Deus. Esse raciocínio conduz a duas conclusões erradas: 1) Se fui predestinado para a perdição, então, mesmo que me esforce, não serei salvo; 2) Se Deus me escolheu para ser salvo, não importa o que eu faça, serei salvo. Em ambos os casos, o modo de viver estará errado. Uma das razões que levaram os calvinistas a defenderem a dupla predestinação foi o fato de não saberem harmonizar a justiça e a misericórdia de Deus. Para eles, Deus é metade justiça e metade misericórdia. Deus é cem por cento justiça e cem por cento misericórdia, tanto para aqueles que se perdem como para os que se salvam. Dentre as doutrinas bíblicas que têm trazido problemas ao cristianismo, talvez a mais conhecida seja a da predestinação. Para a boa compreensão deste assunto, é necessário saber explicar “livre-arbítrio e predestinação’ Livre-arbítrio é o princípio escriturístico que declara ser o homem livre para decidir o seu futuro. Predestinação pode ser definida no sentido geral e no sentido bíblico. No sentido geral, é crer que Deus traçou um plano para a nossa vida e devemos segui- lo sem o direito de escolha. Em outras palavras, somos autômatos desempenhando um papel previamente estabelecido por Deus. Este ensinamento é de origem pagã. Predestinação bíblica é o decreto de Deus que possibilita a salvação a todos aqueles que aceitaram a Cristo como seu Salvador. Deus tem predestinado que aqueles que crêem sejam salvos e aqueles que não crêem sejam condenados, mas Ele deixa cada um escolher se crerá ou não. Calvino apresentou cinco princípios nos quais baseou sua doutrina:
1. Deus, por um decreto eterno e irrevogável, escolheu alguns para a morte eterna e outros para a salvação eterna.
2. O ser humano, pelo pecado, estava sujeito à morte. Ele escolheu livrar alguns como exemplo de sua misericórdia e os demais, como exemplo de Sua justiça.
3. Cristo não morreu por todos, mas somente pelos eleitos.
4. Nos escolhidos Deus atua com graça irresistível. 5. Os que obtiveram essa graça, jamais se perderão — uma vez salvos, salvos para sempre. Armínio, teólogo holandês, defensor do livre-arbítrio e o maior opositor da predestinação calvinista, juntamente com seus colaboradores, apresentou também cinco argumentos contrários aos de Calvino e muito mais convincentes, porque estão em harmonia com a Bíblia. Uma pergunta natural vem à mente: Se a predestinação calvinista não tem base bíblica, por que surgiu? Muitas explicações são apresentadas, especialmente a interpretação equivocada dos seguintes textos bíblicos: Proveerbios. 16:4: “O Senhor fez todas as coisas para determinados fins e até o perverso, para o dia da calamidade’ Êxodo. 7:3: “Eu, porém, endurecerei o coração de Faraó:’ Rom. 9:13: “Como está escrito: Amei a Jacó, porém me aborreci de Esaú.” Várias vezes, a Bíblia declara que Deus endureceu o coração de Faraó, mas também que o monarca endureceu o seu próprio coração. Temos aqui um idiomatismo hebraico: o verbo empregado não é para expressar a execução de alguma coisa, mas a permissão para fazer isso. A prova está em Êxodo 5:22. A história bíblica comprova que Deus jamais destruiu o Seu povo, mas permitiu que ele fosse destruído. A declaração de Romanos 9:13 foi tirada de Malaquias 1:2 e 3. Ele a escreveu mil anos depois; portanto, não é uma profecia, mas um fato histórico. O verbo predestinar só é usado quatro vezes na Bíblia, mas para a salvação (Rom. 8:24-30; Efés. 1:5 e 11).

IV – O LIVRE-ARBÍTRIO SEGUNDO AS ESCRITURAS
1- Declarações Escriturísticas.
Elas contradizem o ensino calvinista e, ao mesmo tempo, comprovam que Deus está interessado na salvação de todo ser humano. Apresentaremos somente algumas referências Bíblicas, por que cremos ser suficiente para endosarmos o assunto:1 Timóteo 2:4: “O qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.” Éo texto mais claro do Novo Testamento. Note que não há uma única exclusão, como indica a palavra “todos’: A afirmação de Paulo não admite divagações e confirma que ninguém foi designado para a perdição. 11 Pedro 3:9: “não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento’ É impossível harmonizar a idéia de que Deusnão deseja que ninguém se perca com a idéia de que Ele escolheu pessoas para a perdição. Apocalipse 22:1 7: “quem quiser receba de graça a água da vida’: O verbo querer indica vontade; portanto, as pessoas escolhem sem nenhuma imposição. A vontade humana é a condição necessária para que Cristo nos salve. Maravilhoso é o livre-arbítrio concedido por Deus! João 3:16: “para que todo o que nEle cré não pereça, mas tenha a vida eterna’ Deus decretou que todos os que aceitarem a Cristo serão salvos, mas não decretou que todos devam aceitá-1o. Ezequiel 18:32: “Porque não tenho prazer na morte de ninguém, diz o Senhor Deus. Portanto, converteivos e vivei.” Mateus 7:21: “Nem todo o que Me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de Meu Pai, que está nos Céus.” Muitos não serão salvos porque não aceitam as condições da salvação. É preciso submeter-se ao plano divino. Jeremias 21:8: “Eis que ponho diante de vós o caminho da vida e o caminho da morte.” Para quê dois caminhos, se a sorte de cada um já está lançada antes? Mateus 24:13: “Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo:’ Vemos que a salvação depende da nossa perseverança. Atos 17:30: “Agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda a parte, se arrependam’ O convite para que todos se arrependam seria um escárnio ao nome de Deus se muitos não pudessem se arrepender por estarem predestinados à destruição. 1 Tessalonincenses 5:9: “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançar a salvação mediante nosso Senhor Jesus Cristo.” Este verso seria suficiente para fazer desmoronar o frágil edificio da predestinação calvinista. 11 Tessalonicenses 2:13: “Porque Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação:’ Tito 2:11: “Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens:’ Todos estão predestinados para a salvação. Atos 10:34: “Deus não faz acepção de pessoas:’ Se Ele predestinasse alguns para a salvação e outros para a destruição, estaria fazendo acepção de pessoas. Isaías 55:7: “Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao Senhor, que Se compadecerá dEle, volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar:’ Aqui se encontra um dos apelos mais tocantes da Bíblia. Esse convite divino é um dos mais fortes argumentos contra a predestinação calvinista.

2- O ensino Arminiano defende o livre-arbítrio do homem com pauta na Bíblia.
No livro Armianismo e Metodismo, encontramos excelentes argumentos contra a predestinação e provas convincentes para a boa compreensão desse assunto. Destacarei apenas três: “Deus seria incapaz de decretar a salvação de uns e a condenação de outros, porque isso é contra a Sua natureza” “Deus seria injusto com aqueles que não estivessem incluídos no plano da salvação. Deus não comete injustiça:’ “Este conceito destrói todos os atributos divinos; põe abaixo tanto a Sua justiça como Sua misericórdia.” O homem é predestinado para operar a sua salvação, para pelejar a boa peleja de fé. É predestinado para usar os meios que Deus colocou ao seu alcance. É predestinado para vigiar em oração, para examinar as Escrituras e evitar cair em tentação. É predestinado para ser obediente a cada palavra que procede da boca de Deus. graças a Deus pelo livre-arbítrio e pelo privilégio da salvação que Ele nos oferece por meio de Cristo. ALELUIA!
OBS: O livre-arbítrio do homem por si só, já aparece no fato de você concordar ou não com esse comentário, embora o interesse de Deus é que você concorde, mas não o força, simplesmente coopera (Mc 16:20). Isto não quer dizer que Deus não tenha controle sobre todas as coisas, o fato é que, Deus não se torna menos-soberano por causa que me deu a livre vontade de escolha, contudo, Ele tem o controle sobre tudo independentemente da minha escolha, que seja boa ou ruim (Ec 12:14).

CONCLUSÃO
Na argumentação supracitada temos afirmado que Deus tem controle absoluto sobre todas as coisas porque ele criou todas as coisas. Neste sentido Deus tem controle sobre a situação total. Por outro lado, tenho dito que há um sentido em que Deus não controla a vontade do homem, isto é, em um sentido determinativo. O quadro é, até certo ponto, como um homem segurando um balde com um inseto dentro dele. O inseto é livre para se mover onde escolher dentro do balde, mas o homem tem completo controle do balde. Alguém dirá ainda que Deus fica limitado por tal combinação. Se a vontade é livre, Deus não é confrontado com aquilo que ele não pode controlar? A resposta é não; ele é confrontado com aquilo que ele não quer controlar. Há uma tremenda diferença entre "não pode" e "não quer." E ao dizer que Deus não determina a vontade do homem, chegamos ao segundo ponto nesta seção, a noção do decreto soberano de Deus da autolimitação. A idéia de auto-limitação significa que Deus criou o homem com a capacidade para fazer suas próprias escolhas e soberanamente decretou suspender seu próprio controle no reino da vontade do homem. Se Deus é limitado, é somente pelo ato soberano de uma auto-limitação, uma suspensão auto-imposta de seu controle neste ponto específico. O homem não limita Deus; Deus se limita. A auto-limitação é, ela mesma, uma escolha soberana e livre da parte de Deus; ele não foi forçado de forma alguma a limitar seu controle. O fato que ele livremente escolheu limitar-se mostra que ele é soberano, que ele tem controle sobre toda a situação. Desse modo, não é que Deus não pode controlar a vontade do homem; neste caso Deus não seria soberano. Antes, é o caso que Deus livremente escolhe não controlar a vontade do homem, e assim mantém sua soberania absoluta. Deve também ser lembrado que esta soberana suspensão auto-imposta um dia será abandonada quando Deus se sentar como o juiz soberano sobre tudo. O que foi dito aqui significa, que a medida da soberania de Deus não é o que Deus decretou ou o que Deus criou, mas a absoluta liberdade de Deus para decretar e criar o que ele deseja. Deus criou o homem com livre-arbítrio pois se agradou em assim fazer; Deus limitou seu controle sobre esta vontade livre pois se agradou em assim fazer. Neste caso ou em qualquer outro caso Deus não é menos do que absolutamente soberano. Aleluia!
Comentarios: Pr. Josaphat Batista

1 comentários:

PREGAÇÃO disse...

É de uma grande valia, esse estudo, nós aqui em Brasilia, participamos, e acompanhamos o ministerio do Pastor Josaphat Batista e aplicamos em sala seus estudos, parabens Pastor Josaphat continua.

6 de janeiro de 2009 14:51

Amigos